MMA indica parceria com sociedade para evitar ocupação irregular da costa

Compartilhe:

01/10/2009 - Carlos Américo

O gerente de projeto da Gerência Costeira e Marinha do Ministério do Meio Ambiente, Alberto Costa, disse nesta quinta-feira (1º/10), em Itajaí (SC), que a parceria entre governo e sociedade civil é o melhor caminho para reverter a tendência de ocupação irregular da costa brasileira, que causa diversos danos socioambientais, como as erosões.

Durante o V Congresso de Planejamento e Gestão Costeira para os Países de Expressão Portuguesa, o gerente Alberto Costa ressaltou que os estados e municípios devem elaborar Planos de Gestão Integrada da Orla Marítima, junto com a sociedade, a fim de evitar que mais áreas na costa brasileira sejam invadidas.

Para ajudar na elaboração do plano, o MMA lançou, em março, o Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil, com informações científicas que orienta ações de planejamento territorial, conservação, regulamentação e controle dos patrimônios natural e cultural.

A publicação destaca o potencial de risco natural, social e tecnológico, tem orientações sobre a biodiversidade costeira e marinha, além de realizar um panorama sobre os danos causados por erosões, bem como por atividades petroleiras e turismo.

O seminário foi realizado pelo Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar da Universidade do Vale do Itajaí, parceira do Ministério do Meio Ambiente em várias ações na área costeira, e reuniu representantes de governos, sociedade civil e academia dos países de língua portuguesa.

.