Pesca comercial de arrasto coloca em risco os golfinhos

Compartilhe:

11/02/2009 - Tradução: William Rodriguez Schepis - Fonte: ScienceDaily

Pesca comercial extensiva coloca em perigo as populações de golfinhos no Mediterrâneo. Isso tem sido mostrado em um novo estudo realizado pelo Departamento de Civilizações Marítimas da Universidade de Haifa. "Infelizmente, voltamos as costas para o mar e não damos muita consideração aos nossos vizinhos marinhos", afirma o pesquisador Dr. Aviad Scheinin.

O estudo, que foi supervisionado pelo professor Ehud Spanier e pelo Dr. Dan Kerem, analisou a concorrência entre os dois predadores de topo de cadeia ao longo da costa mediterrânica em Israel: o Golfinho-comum (Tursiops truncatus) e a pesca de arrasto. (Arrasto é o principal tipo de pesca comercial em Israel e envolve o arrastando uma grande rede de pesca através da água, perto do fundo do mar, na parte de trás de um barco.) Estes dois predadores na costa de Israel capturam tipos similares de peixes próximo o fundo do mar, assim, os investigadores decidiram examinar a natureza da competição entre os dois.

A pesca comercial de arrasto no Mediterrâneo, ao largo da costa de Israel tem como alvo o bacalhau, o salmonete e o linguado, três espécies comerciais de peixe muito procuradas. O Departamento de Pesca do Ministério da Agricultura de Israel tem dados mostrando que, ao longo dos anos, a quantidade de peixes do fundo do mar, saqueado pelo arrasto comercial de Israel é maior que a quantidade de peixes que a natureza proporciona, indicando que a população de peixes de fundo caiu entre os anos 1949 e 2006.

Será que essa queda no fornecimento de peixe, necessariamente, causa dano direto para os golfinhos, visto que sua dieta pode incluir também outros tipos de peixe? Para verificar isso, o pesquisador examinou o conteúdo dos estômagos de 26 golfinhos que morreram e chegaram a praia, ou que haviam sido capturados por engano. Ele também analisou o comportamento dos golfinhos que vivem ao longo de mais de 3.000 km da costa central de Israel através da realização de 232 inquéritos marinhos. Os estômagos dos golfinhos mortos não continham principalmente peixe comercializado, sugerindo que eles talvez não competem diretamente com os arrastões comerciais, e que a pesca comercial não afeta diretamente a nutrição dos golfinhos.

O comportamento dos golfinhos, por outro lado, desenha um quadro totalmente diferente. Segundo o Dr. Scheinin, a maioria dos golfinhos foram observados ao redor dos barcos de arrasto: as chances de se observar um cardume de golfinhos perto de um arrastão é dez vezes maior do que no mar aberto. Isso ocorre porque o arrastão serve como uma estação de alimentação "para os golfinhos: lá eles não são capazes de se alimentar das espécies comerciais capturadas nas redes, mas eles são capazes de desfrutar de cardumes de outros tipos de peixes que nadam em torno do arrastão . "O problema é que este tipo de pesca coloca em perigo os golfinhos. Oito golfinhos morrem a cada ano na costa de Israel, em média, e desses, quatro morrem após serem capturados por engano em redes de arrasto. Muitos estudos têm comprovado a elevada inteligência do golfinho, e é claro que estes mamíferos marinhos estão conscientes deste perigo, mas ficam com pouca escolha devido à sua necessidade de busca de alimentos em todo o arrasto devido à escassez de outras fontes de alimento ", explica o Dr. Scheinin.

Golfinhos próximos ao barco de arrasto
Dr. Aviad Scheinin, IMMRAC

Esta conclusão é reforçada pelos golfinhos do sexo feminino que amamentam. Estes golfinhos necessitam de uma quantidade maior de alimentos do que de costume, e apesar do risco para os golfinhos mais jovem e menos experiente que nadam ao seu lado, todos os golfinhos que amamentam foram verificados mais freqüentemente em torno dos arrastões. Isso indica que eles não podiam obter comida suficiente em outros lugares.

Os golfinhos da costa de Israel passam a maior parte do seu tempo em busca de comida, enquanto seus companheiros em outras áreas do mundo estão muito ocupados com atividades sociais. Este fato é ainda outro fator que contribui para a hipótese de que eles sofrem uma deficiência de recursos alimentares.

O presente estudo demonstra, pela primeira vez, as características dos golfinhos que habitam a região do mar na costa mediterrânica em Israel. Essa população de golfinhos é estável e, em determinado momento pode ser contada em cerca de 350 golfinhos. Destes, os pesquisadores estão pessoalmente familiarizado com 150 golfinhos - em uma base de primeiro nome - que podem ser identificados pela barbatana dorsal, a impressão digital do golfinho. Quarenta destes são vistos repetidamente e são habitantes próximos e permanentes da costa de Israel. "Há uma população estável de golfinhos na costa de Israel, e de qualquer decisão sobre o mar também deve considerar os golfinhos. Então, para preservar esta população, devemos determinar extensas reservas naturais marinhas, a fim de regulamentar a pesca e trazer um fim para a poluição do mar . Lamentavelmente, não estamos considerando muito os golfinhos ", conclui o Dr. Scheinin.

.