Documentário "The Cove" gera protestos em cidade do Japão

Compartilhe:

09/03/2010 - Efe

O prefeito da cidade japonesa de Taiji, Kazutaka Sangen, onde foi filmado "The Cove", vencedor do Oscar de Melhor Documentário de Longa-Metragem, pediu nesta segunda-feira (8) "respeito" à sua cultura e criticou que o filme apresenta dados não-comprovados "como se fossem reais".

"The Cove", dirigido pelo norte-americano Louie Psihoyos, aborda o sangrento massacre de golfinhos em Taiji, cidade litorânea de 3,5 mil habitantes onde os pescadores alegam que a caça desses mamíferos é uma tradição centenária.

Capa do documentário The Cove, que expõe a vergonha da nação Japonesa

A pesca na cidade de Taiji é realizada de acordo com a lei e com a permissão da província de Wakayama [centro do Japão]. Portanto, não é um ato ilegal", ressaltou Kazutaka Sangen.

"É lamentável que em algumas cenas do documentário se apresentem fatos como se fossem reais, sem que tenham sido estudados cientificamente", acrescentou.

Sangen pediu "respeito" a todas as culturas alimentícias e ressaltou que o consumo de carne de golfinho "se baseia em uma tradição de muitos anos".

Vergonha

No entanto, Rosana Tsibana, 45, embaixadora da boa vontade da província japonesa de Okinawa e diretora de responsabilidade social da empresa de cosméticos Surya Brasil, disse à Folha Online que, "como descendente de japoneses", sente "vergonha dessa prática do país".

"O Japão sempre foi tão apegado à verdade, a um espírito de solidariedade e respeito", diz ela, que se refere à prática da pesca como "crueldade marinha". Ela participou em janeiro de protesto contra a caça de baleias e golfinhos em frente ao consulado do Japão.

Um porta-voz da prefeitura de Taiji afirmou ainda à Agência Efe que o prêmio ao documentário colocou a cidade no centro das atenções. "Este era um lugar muito tranquilo, mas temo agora que isso possa mudar", ressaltou.

A entrega do Oscar a "The Cove" foi aplaudida pelo grupo ambientalista Greenpeace. Segundo a ONG, o filme contribuirá para apoiar a luta internacional pela preservação das espécies marinhas.

"Espero que ele sirva de apoio às medidas em favor da preservação, assim como para a luta do Greenpeace no Japão", disse à Agência Efe Greg McNevin, um porta-voz da ONG nesse país.

Além dos golfinhos, McNevin falou sobre o combate contra a caça de baleias por parte do Japão. O país deteve a captura desses animais com motivos comerciais em 1986, pela pressão internacional, mas a retomou em 1987 por "motivos científicos".




.