Educação para a conscientização e a mudança

Compartilhe:

21/09/2010 - Danielle Sibonis / EcoAgência

A justiça é defendida, tradicionalmente, como o respeito entre iguais, mas na prática, ela acontece apenas entre os seres humanos. “Especismo como tema transversal” foi o tema do professor de filosofia de escolas estaduais de São Paulo e membro fundador da Sociedade Vegana, Leon Denis.

Numa sociedade em que os animais têm valores relativos, sendo eles, meios para o fim econômico humano, o professor falou sobre a sua tentativa de apresentar aos seus alunos conteúdos que busquem sua autonomia moral. “Alguns alunos se interessam e levam um choque ao perceber algo tão evidente quanto a exploração animal e começam a mudar, e têm os alunos que se afastam porque mexe com o dia a dia dele, porque tudo que ele consome envolve os animais e o meio ambiente”.

“O diferente é você mostrar que o meio ambiente não é simplesmente um recurso para os seres humanos, e que os animais não são produtos. Cada organismo vivo tem valor inerente e busca manter sua vida”. Para Leon, é compreensível a dificuldade que algumas pessoas têm para aprender, por estar num mundo em que todo tipo de exploração é naturalizado. Os animais e o meio ambiente são tidos como recursos, coisas, então, passa por natural a exploração, não se questiona nada.

O professor defende a necessidade de se repensar conceitos como justiça e igualdade, para buscar desenvolver uma justiça ampla e não apenas para o homem. Para a sociedade realmente ser justa deve englobar os outros seres, senão os humanos se reduzem ao egoísmo, aniquilando a vida das outras espécies.

Ele destaca que é necessária a (in) formação para respeitar os não-iguais e não agir em interesse pessoal apenas. Para preparar seus alunos para a cidadania, Leon Denis defende a necessidade de mostrar as contradições de nossa sociedade, preparar para ser mais crítico, questionando a si mesmo, a escola, a sociedade, o professor que está falando com ele. ‘‘Para preparar para a autonomia tem se repensar a sociedade e não repetir frases que se repetem a séculos. Não podemos seguir com a reprodução de modelos éticos discriminatórios”.
.