Veterinária diz que tartaruga encontrada na Ponta da Praia permanecerá no Aquário para tratamento

Compartilhe:

17/03/2011 - A Tribuna On-line

A tartaruga gigante encontrada pela manhã no canal do Estuário permanecerá no Aquário por no máximo 10 dias, adiantou a veterinária Cristiane Lassálvia, que acompanhou, com biólogos e técnicos do Aquário, o processo de transporte do animal.

 © Carlos Nogueira

De acordo com a especialista, por consumir apenas águas-vivas, que não estejam mortas, o animal marinho receberá alimentação parenteral, soro, vitaminas e antibiótico.

“Vamos melhorar seu estado clínico geral para devolvê-la ao mar o mais breve possível”, explicou.

Serão colhidas amostras de sangue para a realização de hemograma e avaliação de bioquímica sanguínea e, se necessário, o animal será submetido a raios-X.

Espécie ameaçada

A tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea) foi vista por pescadores que estavam em embarcações paradas no canal do Estuário. Sentindo a dificuldade do animal, pescadores pularam na água e encaminharam a tartaruga até a parte da areia para que fosse feito o resgate.

O transporte do animal que pesa cerca de 400 kg e mede por volta de 1,80 m, sendo 1,50 somente de casco, envolveu nove pessoas, entre policiais ambientais e técnicos do Ibama.

De espécie criticamente ameaçada de extinção, o animal foi transportado com a cabeça, nadadeiras e carapaça protegidas por uma manta plástica. Cordas e redes auxiliaram na locomoção da tartaruga.

O animal permanecerá isolado em um tanque de 2,5 m de diâmetro e 2 mil litros de água salgado. O espaço permite acesso apenas a profissionais do Aquário.

“Trata-se de um animal diferenciado, que vive em alto mar, encontrado em todo o Oceano Atlântico, mas que, no Brasil, desova apenas no litoral do Espírito Santo, isto é, retornando ao local onde nasceu, uma característica das tartarugas marinhas”, explicou o biólogo Demétrio Martinho, lembrando que essa espécie não sobrevive em cativeiro.
.