Santos Novos Tempos recebe recursos do PAC 2

Compartilhe:

16/09/2011 - PMS

Prevista no programa Santos Novos Tempos, a solução definitiva para as enchentes na Zona Noroeste e para as moradias de risco nos morros foi assegurada nesta quinta-feira (15) com a assinatura de contratos da segunda fase do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento) entre a prefeitura e a Caixa Econômica Federal.

Habitações populares estão sendo construídas na Zona Noroeste

Os documentos foram firmados pelo prefeito João Paulo Tavares Papa; gerente nacional de negócios da CEF, Arlete da Silva, e pelo superintendente regional da instituição, José Paulo Gomes Amorim. Participaram ainda do ato diversas autoridades e de representantes dos movimentos de moradia da cidade.

Os contratos garantem R$ 177 milhões para obras e projetos na Zona Noroeste e morros, e vão complementar o montante de recursos necessários para o Santos Novos Tempos, que totaliza R$ 550 milhões. Desenvolvido pela prefeitura desde 2005, o projeto conta com financiamento do Banco Mundial, dos governos federal e estadual e contrapartida da prefeitura.

O maior dos quatro contratos, de R$ 170 milhões, destina-se à implantação do sistema de macrodrenagem de águas pluviais e de marés em diversos bairros da Zona Noroeste, com a construção de duas torres de carga na Caneleira, um reservatório de retenção de água (piscinão), no mesmo bairro, quatro estações elevatórias, sendo uma na Rua Eleonor Roosevelt (Divisa com são Vicente), uma na Caneleira, uma no canal da Av. Francisco Ferreira Canto, outra no canal da Hugo Maia com Jovino de Melo e duas estações elevatórias com comportas na Jovino de Melo e no São Manoel.

Na Av. Nossa Senhora de Fátima com a Rua Pedro Giovanni será construída uma comporta. A contrapartida da prefeitura é de R$ 26.037.974,34, perfazendo total de R$ 196,037.974,34. Com início previsto no primeiro semestre de 2012, esse conjunto de obras solucionará o antigo problema de enchentes que afeta a região.

Os demais contratos destinam-se à atualização do Plano Municipal de Redução de Riscos (R$ 300 mil, com R$ 30.001,09 do município, e total de R$ 330.001,09); projetos para estabilização de encostas (R$ 349 mil) e obras para contenção de encostas, em áreas de risco (R$ 6,130 milhões, dos quais R$ 706.615,62 serão da prefeitura, somando R$ 6.836.615,62), beneficiando 16 morros.

Modelo

Papa lembrou a trajetória do Programa Santos Novos Tempos, considerado por instituições nacionais e internacionais como modelo em soluções inovadoras no combate a enchentes e em obras de contenção. “Esse projeto é fruto de muito trabalho e planejamento. Baseou-se em experiências da Espanha, Holanda e Estados Unidos”, afirmou o prefeito, acrescentando que as obras foram planejadas dentro das melhores técnicas.

Papa fez questão de agradecer ao Banco Mundial, que financia outras frentes de intervenções, a todos os parceiros e à população da Zona Noroeste e dos morros.

A gerente de negócios da CEF, Arlete da Silva, citou a importância da parceria da instituição com a prefeitura para financiar "um projeto que vai melhorar a vida das pessoas". Em nome dos beneficiados, Lucineya Marques de Lima Souza, presidente da Sociedade de Melhoramentos da Vila Gilda, afirmou que "o programa é muito importante para acabar com as enchentes e para o desenvolvimento de todos nós”.

O Santos Novos Tempos reúne obras de infraestrutura e de habitação popular, além de oferecer formação profissional e promover inclusão social. As obras de drenagem dependem da remoção de famílias que residem em palafitas, o que estão sendo realizado de forma integrada.

Após a entrega de 480 unidades habitacionais na Vila Pelé II, o município constrói no momento 680 apartamentos no conjunto Caneleira IV e 56 casas na Rua Flor Horácio Cyrillo. Pelo menos 7.600 famílias estão sendo beneficiadas com 5.400 novas moradias e melhorias em outras 2.200 casas.
.