Organismo mais velho do planeta é descoberto

Compartilhe:


11/08/2012 - Jonathan Pearlman / The Telegraph

Campos antigos de uma grama marinha gigante que vive no mar Mediterrâneo, agora são consideradas o organismo vivo mais velho do planeta, depois de cientistas datarem ramos com até 200.000 anos de idade.

Cientistas australianos sequenciaram o DNA de amostras da grama marinha, Posidonia oceânica, a partir de 40 campos submarinos em uma área abrangendo mais de 2.000 quilômetros, desde a Espanha até o Chipre.

Grama marinha do Mediterrâneo tem até 200 mil anos de idade
Foto: Getty Images

A pesquisa, publicada na revista PLoS ONE, descobriu que a grama marinha tem de 12.000 a 200.000 anos de idade e que provavelmente tenha no mínimo 100.000 anos. Muito mais antiga do que a espécie, até então, considerada mais antiga, uma planta da Tasmania que acredita-se ter 43.000 anos de idade.

O professor Carlos Duarte, da University of Western Australia, disse que a alga é capaz de chegar a essa idade tão avançada porque ela se reproduz assexuadamente, gerando clones de si mesmo. Organismos que só podem reproduzir sexualmente são inevitavelmente perdidos a cada geração, acrescentou.

"Elas estão produzindo novos ramos continuamente", disse ele ao The Daily Telegraph. "Elas se espalham muito lentamente e cobrem uma área muito grande dando-lhes mais área para explorar recursos. Elas podem armazenar nutrientes dentro de seus grandes galhos durante períodos de más condições de crescimento."

Reunidas, as pradarias de grama marinha do Mediterrâneo possuem cerca de 16 quilômetros e pesam mais de 6.000 toneladas.

Entretanto, o professor Duarte explica que mesmo a grama marinha sendo um dos organismos mais resistentes do mundo, suas áreas começaram a declinar devido ao desenvolvimento costeiro e ao aquecimento global.

"Se as alterações climáticas continuarem, as perspectivas para esta espécie serão muito ruins", disse ele.

"A grama marinha no Mediterrâneo está em claro declínio, devido a exploração da orla costeira e a baixa qualidade da água, acentuada pelas alterações climáticas. Como a água se aquece, os organismos se movem lentamente para altitudes mais elevadas. O Mediterrâneo é bloqueado ao norte pelo continente europeu. Eles não podem se mover. A perspectiva é muito ruim."

Puclicado em 07/02/2012
.