Baleia mais rara do mundo é vista pela primeira vez

Compartilhe:

09/11/2012 - Época
 
Mãe e filhote da espécie 'Mesoplodon traversii', antes conhecida apenas por fósseis, foram encontrados mortos em praia.

A baleia-bicuda-de-bahamonde (Mesoplodon traversii) era conhecida apenas pelas ossadas
Crédito: Department of Conservation: Te Papa Atawhai

Uma rara espécie de baleia foi vista pela primeira vez após dois indivíduos - a mãe e um filhote macho - ficarem encalhados e morrerem em uma praia na Nova Zelândia. A revista científica Current Biology publicou, nesta terça-feira (6), a primeira descrição completa da baleia-bicuda-de-bahamonde (Mesoplodon traversii), espécie que pode chegar a cinco metros de comprimento, antes conhecida apenas por fósseis.

Detalhe da parte frontal do animal. Crédito: Department of Conservation: Te Papa Atawhai

"Até agora, tudo o que se sabe sobre esta baleia vem de três partes de crânios coletados na Nova Zelândia e no Chile durante um período de 140 anos. Ou seja, quase nada", afirma Rochelle Constantine, pesquisadora da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia. "Esta foi a primeira vez que um indivíduo da espécie foi visto de corpo inteiro, e nós tivemos sorte de encontrar dois deles."

As duas baleias foram encontradas em dezembro de 2010 em Opape Beach, na Ilha do Norte no país. O Departamento de Conservação da Nova Zelândia foi chamado ao local, onde fotografou os animais e coletou amostras de tecido. Primeiramente, os indivíduos foram identificados como pertencentes a outra espécie comuns de baleia. A verdadeira identidade foi descoberta somente após análises de DNA.

"Quando estes espécimes chegaram ao nosso labortatório, nós extraímos o DNA e ficamos muito surpresos ao descobrir que eram de baleias-bicudas-de-bahamonde. Fizemos o teste repetidas vezes para ter certeza, antes de divulgar a descoberta", diz Rochelle.

Os pesquisadores ainda não sabem porque esta espécie de baleia é tão rara. "Pode ser que sejam baleias reclusas que vivem e morrem em águas profundas do oceano", afirma a pesquisadora. "A Nova Zelândia é cercada por oceanos obscuros. Há uma grande quantidade de vida marinha que permanece desconhecida para a ciência."