Monstros das profundezas: minúsculas criaturas marinhas que parecem de outro planeta

Compartilhe:

02/06/2013

Elas se parecem com monstros de outro planeta. Mas, longe de habitar um mundo alienígena anos-luz do nosso, essas criaturas assustadoras habitam as profundezas dos oceanos da Terra.

Imagens surpreendentes de poliquetas mostram como elas evoluíram para sobreviver às intensas pressões a mais de 1.000 metros abaixo da superfície da água, onde os raios do sol nunca penetram. Espera-se que as descobertas desta região possam ajudar a lançar luz sobre a possibilidade de vida existente em outros planetas.

Evolução: As poliquetas evoluíram para suportar ambientes extremos

Mundo alienígena: As condições nas profundezas dos oceanos têm mais em comum com o espaço do que com o planeta Terra

Detalhes incluindo suas "bocas retráteis" apavorantes, que tornam mais fácil a captura das presas, são reveladas em uma série de imagens de pesquisas sobre os oceanos profundos.

As criaturas, que medem pouco mais de dois ou três centímetros de comprimento, fazem parte de um ecossistema que era desconhecido até 40 anos.

Mas desde a década de 70, a evolução da tecnologia têm permitido a exploração cada vez mais profunda de nosso mundo marinho, permitindo que os cientistas revejam suas idéias sobre o fundo do oceano.

Em vez de uma terra árida, eles descobriram diversas comunidades de criaturas que vivem sobre e em torno de fontes hidrotermais.

Popularmente conhecidas como "smokers", as fontes hidrotermais são fissuras no fundo do mar, normalmente encontradas em torno de zonas de terremoto, vulcões e bordas das placas tectônicas.

Elas liberam água superaquecida e um coquetel de substâncias químicas que proporcionam um lar para criaturas como as poliquetas.

Presume-se que existam fontes hidrotermais similares na lua de Júpiter, Europa, e cientistas especulam que  possam ter existido em Marte.

Apavorante: poliquetas possuem "bocas retráteis" que ajudam a capturar as presas

Os cientistas esperam aprender mais sobre a possibilidade de vida em outros planetas, estudando como essas criaturas prosperaram sem depender da energia dos raios solares

Exploração: Explorando as regiões desconhecidas do oceano profundo os cientistas nos trazem mais descobertas  extraordinárias

As poliquetas rastejam pelo fundo do mar perto de uma fissura, usando seus poderosos dentes para ingerirem bactérias e pequenos organismos que se desenvolvem na quente sopa química.

As comunidades que habitam fontes hidrotermais obtém energia a partir da química em vez da fotossíntese, uma vez que nenhuma luz atinge as profundezas. Isto leva a alguns relacionamentos bizarros: as poliquetas são hospedeiras de bactérias simbióticas que lhes fornecem nutrientes.

Alguns cientistas acreditam que as poliquetas possam sobreviver apenas com as bactérias.

A capacidade de existirem em uma das condições mais adversas conhecidas pelo homem, torna as poliquetas fascinantes para Daniel Desbruyeres, pesquisador sênior do I'lfremer, o Instituto Francês de Pesquisa para Exploração do Mar.

Ele disse: "As recentes descobertas de fontes hidrotermais mudaram nossa visão de todo o reino marinho."

"O reino do mar é um dos mais diversos habitats da Terra, contudo a nossa percepção ainda está em sua infância."

Sobreviventes: As criaturas podem existir tanto no frio extremo do fundo do mar, bem como em águas super aquecidas encontradas perto das aberturas vulcânicas, onde podem alcançar 375 ºC

As imagens capturam com detalhe extraordinário os aspectos evolutivos das poliquetas

Fonte: Daily Mail