Chega a 50 o número de pinguins mortos em praia de SC

Compartilhe:

25/07/2013

Mais de 50 de pinguins foram encontrados mortos, desde a semana passada, na orla de praias de Bombinhas, em Santa Catarina. De acordo com informações da Fundação de Amparo ao Meio Ambiente de Bombinhas (Famab), a maioria dos pinguins foi encontrada nas praias de Canto Grande. 

Ao todo, mais de 50 pinguins já apareceram mortos nas praias de Bombinhas, em Santa Catarina, desde a semana passada

Nesta época do ano, os animais vêm da região da Patagônia, na Argentina, e da Antártica, trazidos pela corrente marítima, e muitas vezes chegam cansados, perdidos e debilitados às praias de Santa Catarina. “Os pinguins chegam aqui muito exaustos e desnutridos, e a maioria deles – por incrível que pareça – morre de frio”, afirma o fiscal ambiental Antônio Nunes da Silva.

De acordo com a Fundação de Amparo ao Meio Ambiente de Bombinhas (Famab), os animais são trazidos pela corrente marítima

Como Bombinhas não possui um centro de recuperação, a equipe da Famab realiza o monitoramento da região, e encaminha os animais encontrados vivos para outras cidades. “Esta semana foram resgatados cinco pinguins vivos e mais de 50 mortos. Os vivos são levados para a Polícia Ambiental da região de Rio Vermelho, e serão soltos em Rio Grande, no Rio Grande do Sul”, afirma o fiscal.

Cansados, desnutridos e perdidos, muitos animais morrem em decorrência do frio

Antônio Nunes orienta ainda para os cuidados que se deve tomar ao encontrar o animal. “As pessoas acham que ao encontrar um pinguim, têm que colocar o animal no gelo. Muito pelo contrário; geralmente, eles precisam ser aquecidos”.

A partir do mês que vem, os moradores de Santa Catarina poderão presenciar a chegada de baleias franca, que vem ao litoral brasileiro se reproduzir

A partir do mês que vem, os moradores de Santa Catarina poderão presenciar também a chegada de baleias. “Em agosto será a vez das baleias franca chegarem ao litoral catarinense. Em 2012 recebemos mais de 200 baleias; elas vêm para cá em busca de águas mais quentes para procriar”, conta Antônio.


Fonte: Portal Terra