Estudo revela altos níveis de mercúrio em 84 por cento dos peixes consumidos nos EUA

Compartilhe:

15/08/2013

Um novo estudo do Instituto de Pesquisa da Biodiversidade em Maine, EUA, descobriu que 84 por cento dos peixes consumidos pelos americanos possuem níveis de mercúrio acima do limite considerado seguro para o consumo. Isso representa um risco para a saúde dos seres humanos que consomem certos tipos de peixe mais de uma vez por mês.

Reduzir a poluição por mercúrio está na agenda da conferência das Nações Unidas esta semana em Genebra, onde se espera que as delegações deem os retoques finais no tratado apoiado pelos Estados Unidos.

Richard Gelfond sempre se considerou uma pessoa atlética, até que um dia, algo estranho aconteceu.

"Eu estava correndo, e parecia que ia cair", disse Richard, acrescentando que tinha algo a ver com o seu equilíbrio.

Richard, que é o CEO da produtora de filmes IMAX, consultou vários médicos, da costa leste a costa oeste dos Estados Unidos, e nenhum tinha respostas. Ele estava preocupado.

"Chegou a um ponto em que eu realmente não conseguia atravessar a rua. Tive que segurar a mão da minha esposa", disse Richard.

Muitos testes depois, um neurologista de Gelfond perguntou se ele havia comido muitos peixes. Ele comia duas vezes por dia. O diagnóstico, intoxicação por mercúrio.

"Eu pensei que estava fazendo algo realmente bom para o meu corpo, e descobri que estava fazendo algo péssimo", disse Richard.

Comer peixe é a principal causa de envenenamento por mercúrio. Atum, espadarte (meca) e tubarão (cação) contêm mais mercúrio, que pode danificar permanentemente o cérebro e os rins. Tendo em vista que a poluição por mercúrio é global, nenhum país sozinho pode livrar a sua oferta de alimentos da contaminação.

"Setenta e cinco por cento dos peixes que comemos nos Estados Unidos é importado", disse Linda Greer do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais, que apoia o tratado da ONU para reduzir as emissões mundiais de mercúrio.

"Muito do atum que comemos, por exemplo, vem do Mar da China Meridional. É a poluição por mercúrio que vem em latas e chegam as nossas despensas todos os dias", disse Linda.

O tratado proposto pela ONU pede: filtrar as emissões de mercúrio da queima de carvão, banir o uso de mercúrio na mineração de ouro, reduzir o seu uso na fabricação de interruptores eletrônicos, pilhas e baterias.

"Eu sou, provavelmente, apenas 75 por cento do que eu era antes", disse Richard  "Eu não posso correr, por exemplo. Presumo que eu nunca vou ser capaz de fazer as coisas que eu fazia antes de me contaminar."

Richard Gelfond doou 1 milhão de dólares para uma equipe de pesquisas da Universidade Stony Brook estudar os efeitos do mercúrio sobre a saúde humana. Efeitos que para ele podem ser permanentes.



Fonte: CBS News