Cientistas alertam sobre os riscos em consumir carne de baleia e golfinho

Compartilhe:

22/10/2013

Após a assinatura do primeiro tratado internacional para conter a liberação de mercúrio no meio ambiente, uma coalizão de ONGs está pressionando países a tomarem medidas imediatas para informar as pessoas sobre o risco de contaminação através do consumo da carne de baleia e golfinho.

A caça às baleias-piloto é faz parte da cultura social das Ilhas Faroé.
A caça às baleias-piloto faz parte da cultura social das Ilhas Faroé.

"Por muito tempo as populações costeiras ao redor do mundo têm sido autorizadas a consumir carne contaminada com mercúrio de baleias, golfinhos e botos, muito por ignorância dos riscos envolvidos", disse Clare Perry, Ativista Senior da Environmental Investigation Agency (EIA), com bases no Reino Unido e nos EUA.

"Agora, os signatários do novo tratado devem tornar as comunidades em lugares distantes como o Japão e as Ilhas Faroé devidamente conscientes dos gravíssimos riscos para a saúde humana, causados ao comer a carne dos cetáceos com dentes."

A Convenção de Minamata sobre Mercúrio foi aprovada dia 9/10 na Conferência Diplomática para a Convenção de Minamata sobre Mercúrio, no Japão. A escolha do local é significativo pois Minamata foi palco do pior acidente com intoxicação por mercúrio em massa no mundo. A contaminação começou em 1956 após uma fábrica da Chisso Corporation despejar metilmercúrio no mar, acumulado em peixes e mariscos e seguindo o seu caminho na cadeia alimentar humana.

Os sintomas de envenenamento por mercúrio incluem perda de coordenação muscular, dormência nas extremidades, danos à audição e à fala, danos ao desenvolvimento fetal, paralisia e morte.

Foram encontrados altos níveis de mercúrio na carne de golfinho vendida para consumo no Japão, níveis tão altos quanto 98,9 partes por milhão de mercúrio, cerca de 250 vezes superior ao nível regulamentar do governo e acima dos níveis encontrados nos peixes que causaram a doença de Minamata.

A partir de setembro, durante seis meses, a enseada de Taiji no Japão fica vermelha com o sangue de golfinhos
A partir de setembro, durante seis meses, a enseada de Taiji no Japão fica vermelha com o sangue de golfinhos.

"Os governos estão bem cientes dos perigos para a saúde humana ao comer carne de baleia e golfinho contaminada com mercúrio e outros poluentes, mas em alguns casos eles têm sido negligentemente reticentes quando se trata de proteger adequadamente os seus cidadãos contra os riscos", disse Sakae Hemmi, da ONG japonesa Elsa Nature Conservancy.

É comum a venda de carne de baleia e golfinho no Japão. Sendo inclusive utilizadas em merenda escolar.
É comum a venda de carne de baleia e golfinho no Japão. Sendo inclusive utilizadas em merendas escolares.

Baseado em mais de 20 anos de estudos médicos nas Ilhas Faroé, os cientistas agora aconselham que as baleias-piloto que lá morrem não tem mais a carne adequada para o consumo - contudo o governo não seguiu as recomendações. Em 2012, a Comissão Baleeira Internacional aprovou uma resolução de consenso observando essas preocupações e pressionando os governos a agir.

Golfinhos são enfileirados no concreto após serem massacrados em 2006 nas Ilhas Faroe.
Golfinhos são enfileirados no concreto após serem massacrados em 2006 nas Ilhas Faroe.

Birgith Sloth, da Sociedade para a Conservação dos Mamíferos Marinhos na Dinamarca, acrescentou: "Aumentar a conscientização sobre as recomendações científicas tem levado muitas pessoas nas Ilhas Faroé a rejeitar a carne de baleia-piloto. Apesar disso, mais de 1.300 baleias-piloto e golfinho-de-laterais-brancas-do-pacífico foram mortos nas Ilhas Faroé, em 2013, o que sugere que algumas pessoas estão consumindo grandes quantidades de carne de baleia e golfinho. O Governo das Ilhas Faroé precisa seguir as recomendações de seus próprios cientistas e impor uma estrita proibição no consumo de carne de baleia e golfinho".


Fonte: The Economic Voice