Saneamento piora em Santos, São Vicente e Guarujá, diz estudo

Compartilhe:

02/10/2013

Cidade caiu de 1º para 8º no ranking. Tarifa é uma das mais caras entre as 100 principais cidades do país. São Vicente e Guarujá também pioraram; Praia Grande teve uma melhora.

O saneamento básico piorou em Santos, passando de primeiro lugar para oitavo no ranking das 100 principais cidades do Brasil, divulgado ontem pelo Instituto Trata Brasil baseado no SNIS 2011 (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. O levantamento anterior foi de agosto de 2012, com base no SNIS de 2010. Neste ano, a nota máxima do município foi de 8,05 (num total de 10), no ano anterior foi de 8,70.

Os canais de Santos ainda recebem muito esgoto proveniente de ligações clandestinas na rede pluvial
Os canais de Santos ainda recebem muito esgoto proveniente de ligações clandestinas na rede pluvial.

Vários indicadores são considerados, dentre eles população atendida com água tratada e coleta de esgoto, quantidade de esgoto tratados, perdas de água, investimentos, entre outros. Segundo o instituto, o tratamento de esgoto é o serviço mais distante da universalização. “Em 2030, a se manter esse ritmo de avanços, estaremos longe de ter todo o esgoto tratado nas 100 maiores cidades” afirma o estudo.

Muitas habitações não possuem coleta de esgoto e despejam seus efluentes diretamente no estuário
Muitas habitações não possuem coleta de esgoto e despejam seus efluentes diretamente no estuário.

No entanto, Santos tem uma das tarifas mais caras. A média por metro cúbico de água é de R$ 2,30, enquanto em Uberlândia (MG), primeira do ranking, é de R$ 0,89.

Em Santos, o atendimento de esgoto tratado por água consumida foi de 76,87%, no ano passado foi de 76,76%. Dentre os pontos negativos está a perda financeira com a água. O índice passou de 12,83 para 17,39. Receberam nota máxima municípios com 15% ou menos de perda.

A pesquisa pontua como negativo o baixo investimento nos serviços em comparação com a arrecadação. Santos passou de 20% para 11,6%.

Os municípios da Baixada Santista ainda apresentam um grande número de favelas de palafitas, que geram um enorme volume de lixo e esgoto descartado diretamente nas águas estuarinas, prejudicando muito a balneabilidade das praias na região. Nesta foto, o rio dos Bugres, que divide os municípios de Santos e São Vicente, abriga uma das maiores favelas de palafitas do Brasil.
Os municípios da Baixada Santista ainda apresentam um grande número de favelas de palafitas, que geram um enorme volume de lixo e esgoto descartado diretamente nas águas estuarinas, prejudicando muito a balneabilidade das praias na região. Nesta foto, o rio dos Bugres, que divide os municípios de Santos e São Vicente, abriga uma das maiores favelas de palafitas do Brasil.

Responsável pelo serviço, a Sabesp informa, em nota, que está analisando o estudo para prestar esclarecimentos sobre os indicadores referentes às cidades da Baixada.

Em nota, a prefeitura afirma que Santos apresenta altos índices de saneamento, com 100% no abastecimento de água e na coleta de esgoto.

“Nesse patamar, a cidade não possui margem para evolução no atendimento. Mesmo a variação nas perdas, a mantém entre os municípios com os melhores indicadores”.

Outras cidades

Praia Grande – Está em 20º lugar, com nota 6,99. No ano passado estava em 22º lugar, com 6,89.
São Vicente – Está em 41º lugar, com nota de 5,66. No ano passado etava em 35º lugar, com 5,95.
Guarujá – Está em 44º lugar, com nota de 5,51. No ano passado estava em 36º lugar, com nota 5,88.


Fonte: Jornal Metro