Sancionada pela prefeitura de São Sebastião, APA Baleia-Sahy será gerenciada pelo Instituto Conservação Costeira

Compartilhe:

04/12/2013

Vista dos fundos da Praia da Baleia, onde predomina a planície alagada revestida por Caxetal e Brejo de Restinga as margens do Rio Negro. Crédito: Leandro Saad
Vista dos fundos da Praia da Baleia, onde predomina a planície alagada revestida por Caxetal e Brejo de Restinga às margens do Rio Negro. Crédito: Leandro Saad

A recém-criada APA (Área de Preservação Ambiental) Baleia-Sahy, área de proteção que une as Praias da Baleia e Barra do Sahy em São Sebastião, comemora a possibilidade de ser colocada em prática. Depois de dois anos de luta por parte da sociedade civil, o projeto foi finalmente aprovado e sancionado pelo Prefeito Municipal de São Sebastião Ernane Primazzi como lei municipal 2.257/2.013 - Decreto 5.866/2013.

Em decisão inédita, o Instituto Conservação Costeira (ICC) ficará responsável por gerenciar esta grande área ambiental em cooperação com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e com a Prefeitura Municipal de São Sebastião. Ou seja, o ICC – ONG ligada ao Movimento Preserve o Litoral Norte – irá elaborar e executar um planejamento de gestão socioambiental da APA Baleia-Sahy em parceria com estes órgãos para assegurar que esta nova unidade de conservação sairá do papel e trará reflexos positivos para a comunidade local.

O inovador modelo de parceria prevê o planejamento conjunto de ações visando a conservação e recuperação da diversidade biológica, paisagística e cultural e o desenvolvimento sustentável da área. A iniciativa ousada prevê ainda a elaboração de um plano de gestão ambiental, a implementação de um zoneamento, permitindo maior participação de representantes das comunidades locais e associações atuantes nas respetivas praias.

O termo de parceria prevê a capacitação e treinamento da comunidade local, escolas municipais, estaduais e ou particulares, apoiando o programa municipal de ecoturismo. Fará parte da atuação da equipe, a elaboração de eventos educacionais, esportivos e culturais, visando trazer uma segunda fonte de renda para a população local.

Segundo Fernanda Carbonelli, presidente do Instituto Conservação Costeira, o projeto poderá servir de exemplo a outras praias e outras cidades, demonstrando o êxito na parceria entre os setores público, privado e terceiro setor. "Não podemos deixar só com o Poder Público este encargo, pois temos que fazer nossa parte. A parceria é a forma de legalizar esta atuação em conjunto, trazendo inovação e uma maior agilidade na gestão da APA", afirma.


Fonte: Cecilia Sousa/Grupo Máquina PR