Sacolas plásticas descartáveis serão probidas em todo o estado da Califórnia

Compartilhe:

11/09/2014 

O governador da Califórnia, Jerry Brown, disse na quinta-feira que irá aprovar a proibição de uso de sacolas plásticas descartáveis, o que tornará o estado norte-americano o primeiro a proibi-las.

Sacolas plásticas podem levar até quatro séculos para se decompor. Sobrecarregam aterros sanitários, contribuem para inundações em centros urbanos, contaminam os oceanos, causam a morte de centenas de milhares de animais marinhos por emaranhamento e ingestão e liberam substâncias tóxicas ao se decomporem.
Sacolas plásticas podem levar até quatro séculos para se decompor. Sobrecarregam aterros sanitários, contribuem para inundações em centros urbanos, contaminam os oceanos, causam a morte de centenas de milhares de animais marinhos por emaranhamento e ingestão e liberam substâncias tóxicas ao se decomporem.

Os legisladores aprovaram o projeto final, que e agora só necessita da assinatura de Brown para virar lei. O que deverá ser feito pelo governador antes do final de setembro.

"Eu provavelmente vou assinar, sim", disse o veterano democrata, durante um debate televisionado com o seu rival eleitoral republicano Neel Kashkari, que está mal nas pesquisas de opinião.

"Na verdade, eu vou te dizer porque eu vou assinar: há cerca de 50 cidades com a sua própria proibição de sacolas de plásticas, e isso causa muita confusão", disse ele, citado pelo Los Angeles Times e outros jornais.

E acrescentou: "Este é um compromisso, levando em conta as necessidades ambientais, econômicas e dos comerciantes."

Nos termos da legislação californiana, as sacolas plásticas descartáveis desaparecerão dos supermercados e farmácias em 1º de julho de 2015 e, em seguida, lojas de conveniência e de bebidas a partir de 1º de julho de 2016.

A lei permitirá que as lojas cobrem 10 centavos por cada sacola de papel ou reutilizável. Proibições similares, apoiadas por ambientalistas, já estão em vigor em cidades como Los Angeles e San Francisco.

A proibição tem a oposição de republicanos que dizem que seria muita intromissão do governo para pequenas e médias empresas, e para fabricantes de sacolas, que temem a perda de empregos.

Seu rival, Kashkari, disse que se opõe à legislação. "Sem chance deu assinar o projeto de lei", disse ele no último debate entre os candidatos.


Fonte: AFP