Santos terá limpeza de praia no Dia Mundial do Meio Ambiente

Compartilhe:

03/06/2016 - Por William Rodriguez Schepis 

A 70ª Ação Voluntária EcoFaxina acontece neste domingo (5/6) na praia do Gonzaga com foco no microlixo, que para muitos banhistas, acostumados com garrafas pet, fraldas, sacolas plásticas e outros resíduos maiores, acaba passando "desapercebido" em meio à areia das praias de Santos.

Estudantes de São Paulo se surpreenderam com a diversidade de resíduos presentes nas praias.

A poluição marinha por plástico se tornou uma preocupação global. Vivemos a era do plástico, um material indispensável na vida moderna, que quando não utilizado de maneira consciente e responsável causa graves prejuízos à fauna, à saúde dos oceanos e à nossa saúde.

Ao não darmos destinação correta através da reciclagem, o plástico pode chegar com facilidade aos oceanos. Aproximadamente 80% do plástico que polui os oceanos tem origem em terra e chegam ao mar através de ventos, chuvas, rios, estuários e praias poluídas, os outros 20% representam o descarte ou perda por navios e embarcações de pesca e recreio.

Voluntários da comunidade em ação em um dos poluídos canais de São Vicente.

Estando presente em ambientes naturais o plástico começa a ser lentamente degradado pelos raios solares, mais precisamente pelos raios ultra violeta, é a chamada fotodegradação. Você pode estar pensando, que bom que ele é degradado, dessa forma ele vai desaparecendo, mas infelizmente esse processo acaba agravando o problema, gerando fragmentos cada vez menores, que vão se espalhando por todos os ecossistemas marinhos até "virarem pó". E é aí que mora o perigo. Ao confundirem com alimentos, diversas espécies de animais marinhos ingerem esses fragmentos, que ao se partirem em pedaços cada vez menores vão atingindo diferentes espécies, até se tornarem micropartículas, que serão ingeridas por organismos filtrantes como ostras, mexilhões e o plâncton, base da cadeia alimentar marinha.

Plâncton ingerindo micropartículas de plástico (pontos verdes).

Além de causarem sufocamento, obstrução do trato digestório e diminuição do volume funcional do estômago, problemas que podem levar os animais à morte em pouco tempo, ocorre a transferência de poluentes orgânicos persistentes (POPs) presentes na composição do plástico e que também são adsorvidos em ambientes poluídos, como o estuário de Santos, para o tecido dos animais. Estudos apontam que a concentração desses poluentes no plástico pode chegar a um milhão de vezes a concentração presente na água, tornando-se uma fonte adicional de contaminação.

Os poluentes orgânicos persistentes são bastante conhecidos por seus efeitos tóxicos e além da sua grande persistência no ambiente, possuem alta afinidade com os tecidos animais. Os bifenilos policlorados (PCBs) e pesticidas organoclorados, como os DDTs, são exemplos de alguns poluentes orgânicos persistentes que possuem afinidade molecular com o plástico e se concentram nele.

Deu para perceber que o problema do plástico no ambiente marinho vai muito além do aspecto desagradável das praias sujas. Adivinha só... ele está chegando aos nossos pratos!

#MangueFazADiferença #PorUmMarSemLixo

Grande parte do plástico que polui o mar e as praias de Santos tem origem em manguezais invadidos por favelas de palafitas, onde o lixo e o esgoto gerado por milhares de famílias, vivendo muitas vezes em condições subumanas, são despejados diariamente no ecossistema, é levado para o mar com a alternância das marés.

Supressão e aterramento do manguezal com lixo e resíduos da construção civil, poluição por plástico e esgoto. Um cenário de terror no berçário da vida marinha que se estende ao mar e às praias da Baixada Santista.  

Propágulos e objetos de plástico se acumulam no costão rochoso. Ambos tem a mesma origem, os manguezais do estuário de Santos.

A cada mês a Terracom, empresa responsável pela limpeza urbana, retira com tratores em média 40 toneladas de lixo das praias de Santos.

70ª Ação Voluntária EcoFaxina - Dia Mundial do Meio Ambiente

O ponto de encontro será em frente à Concha Acústica, na praia do Gonzaga, às 8 horas, com o término da ação previsto para as 12 horas. Caso chova a ação será transferida para o próximo domingo.

Clique aqui para confirmar a sua presença!

Apoio: Prefeitura de Santos, Hospital Ana Costa, Vopak Brasil, Universidade Santa Cecília, Instituto do Mar - UNIFESP, Greenpeace São Paulo e Terracom.