Trote Ecológico EcoFaxina reunirá calouros e veteranos para limpeza de mangue neste domingo

Além de conscientizar, a recepção dos calouros unida à proteção da vida marinha incentiva alternativas ao trote tradicional.

 

 
A sétima edição do Trote Ecológico EcoFaxina, que acontecerá neste domingo (18/3), reunirá calouros e veteranos das faculdades de Biologia Marinha da UNISANTA e Ciências do Mar da UNIFESP em uma ação voluntária de limpeza de manguezal em Santos.

 

Além de retirar materiais recicláveis presentes no manguezal, o trote ecológico tem como objetivo também apresentar aos alunos um panorama da poluição marinha por plástico no estuário de Santos e São Vicente através da vivência e do envolvimento com a problemática, introduzindo conceitos ecológicos e a importância dos serviços ambientais que esse ecossistema presta à nossa sociedade.

 

Voluntários (as) coletando resíduos em manguezal de São Vicente que hoje encontra-se aterrado e ocupado por moradias irregulares.

 

"É fundamental que os profissionais que lidam com ambientes naturais costeiros e marinhos estejam atentos e sobretudo bem informados em relação ao grave quadro de poluição marinha e de desmatamento de mangue que ocorre na Baixada Santista.", explica Társio Monteiro, Coordenador de Mobilização do Instituto EcoFaxina. "O plástico descartado nos mangues chega todos os dias às baías de Santos e de São Vicente. Uma parte desses resíduos é depositado nas praias e costões rochosos e outra fica constantemente presente na coluna d'água transformando o mar em uma sopa de plástico." completa.

 

Com base em dados de 2010, cientistas estimam que 4,8 a 12,7 milhões de toneladas de plástico entrem a cada ano nos oceanos. A poluição de rios e estuários é o que mais contribui para esse enorme aporte de plástico no ambiente marinho.

 

Favelas de palafitas e a poluição marinha por plástico, um grave problema socioambiental que não pode continuar sendo ignorado pelo poder público. Crédito: William R. Schepis/Instituto EcoFaxina
 

Pesquisadores alemães publicaram um estudo que mostra que uma fração substancial dos detritos plásticos marinhos tem origem terrestre e os rios atuam como uma importante via de transporte para todos os tamanhos de detritos plásticos. No artigo, publicado pela revista Environmental Science and Technology, os pesquisadores calcularam que somente 10 rios do mundo transportam até 4 milhões de toneladas por ano de plástico para os oceanos e que dois terços da poluição oceânica provêm dos 20 rios mais poluídos do mundo. 

Na Baixada Santista, rios e canais estuarinos que compõem o estuário de Santos e São Vicente transportam todos os dias toneladas de resíduos plásticos para o mar. Afetando não somente a fauna marinha, mas trazendo prejuízos econômicos para a saúde pública, o turismo e a pesca.